Predadores do escorpião, gambás correm risco no município

Aparência pouco amigável e até caça para alimentação estariam colocando animais em risco

Por Alessandro Nogueira 12/08/2019 - 20:53 hs

Predadores do escorpião, gambás correm risco no município

Apesar de ser um predador natural de pragas, animal é frequentemente perseguido; o motivo, segundo as autoridades, é a aparência pouco amigável

A aparência deles pode não ser a das mais atraentes, o que faz com que sua popularidade seja bem inferior à do primo distante, o coala. Mesmo sendo considerados por muitos como visitas indesejadas, os gambás não oferecem nenhum risco à população e ainda possuem importante função: eles são excelentes eliminadores de pragas, como o escorpião.

Como muitos outros animais, os gambás são mais fofos quando são filhotes. No entanto, os adultos dificilmente conseguem cativar a afetividade das pessoas, já que para muitos se parecem com ratos gigantes. E, nos últimos anos, o surgimento deles têm aumentado no município. Os motivos são dois: a invasão humana do habitat e a busca por alimentos.

Em um bairro próximo ao Centro, um morador virou cuidador de uma família de gambás que passou a morar no tronco de uma árvore, em frente a casa dele. A fêmea teve cinco filhotes recentemente. "Meu medo é judiarem do animal pelo que ele é e pela aparência", contou o esse morador que é funcionário público. Além disso, ele tem o receio de que o bicho seja atropelado, já que escolheu morar em uma rua bastante movimentada.

Especialistas da área Ambiental afirmam que os gambás são animais espertos, eles não se colocam em perigo facilmente.

Geralmente, o gambá invade residências em busca de comida ou a procura de local seguro para fazer ninhos, como forros. Não é recomendável acuar o animal. O ideal é o deixar passar até que encontre um caminho para fugir. Para evitar esse tipo de surpresa, a recomendação é não se aproximar, vedar aberturas, entre o telhado, acondicionar o lixo corretamente e retirar sobras de rações.

Alimentação

Os gambás são animais onívoros, ou seja, comem de tudo. Eles se alimentam frutas, pequenos insetos e de aracnídeos, explica o biólogo e professor da Unesp, Arif Cais. "Os gambás têm hábitos noturnos, normalmente vivem em árvores e comem de tudo, inclusive escorpiões, aranhas e lagartixas. Esses animais não possuem gandulas pigidiais que esguicham líquido com feromônios e que exalam cheiro ruim," esclarece Arif. O especialista explica que esse mecanismo de defesa é comum apenas ao cangambá, espécie encontrada normalmente na América do Norte, que não faz parte da família de marsupiais.

O gambá comum, no entanto, não oferece nenhum risco aos seres humanos. "Eles são animais lentos, não possuem veneno e a mordida dele não é agressiva", conclui Arif. Além disso, o animal possui grande importância para a manutenção do ecossistema por ser um ótimo dispersor. 

"Maltratar ou matar gambás, ou qualquer outro animal silvestre é crime ambiental", finaliza. A pena para essa prática prevê detenção de seis meses a um ano e multa.